Seguidores

terça-feira, 19 de maio de 2015

O PODER DE JESUS SOBRE A NATUREZA E OS DEMONIOS - LIÇÃO 08 COM SUBSIDIOS


Resultado de imagem para capa lição cpad 2015

Lições Bíblicas CPAD  -  Adultos  -  2º Trimestre de 2015
Título: Jesus, o Homem Perfeito — O Evangelho de Lucas, o médico amado

Comentarista: José Gonçalves

 Lição 8: O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Data: 24 de Maio de 2015

TEXTO ÁUREO
 “E disse-lhes: Onde está a vossa fé? E eles, temendo, maravilharam-se, dizendo uns aos outros: Quem é este, que até aos ventos e à água manda, e lhe obedecem?” (Lc 8.25).

VERDADE PRÁTICA
 Ao mostrarem o poder de Jesus sobre as forças naturais e sobrenaturais, as Escrituras sublinham sua natureza divina e identidade messiânica.

LEITURA DIÁRIA
 Segunda — Lc 8.22-35
Jesus tem poder sobre as forças da natureza
 Terça — Lc 4.33-37
Jesus tem poder sobre as forças malignas
 Quarta — Lc 8.29-31
Jesus veio para libertar os cativos do Diabo
 Quinta — Mc 1.21-26
Jesus conhecia a natureza dos demônios e não os deixava falar
Sexta — Lc 9.38-42
Jesus veio para destruir as obras dos demônios
Sábado — Cl 2.15
Jesus e a sua completa vitória sobre os demônios

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
 Lucas 8.22-25,35-39.
 22 — E aconteceu que, num daqueles dias, entrou num barco com seus discípulos e disse-lhes: Passemos para a outra banda do lago. E partiram.
23 — E, navegando eles, adormeceu; e sobreveio uma tempestade de vento no lago, e o barco enchia-se de água, estando eles em perigo.
24 — E, chegando-se a ele, o despertaram, dizendo: Mestre, Mestre, estamos perecendo. E ele, levantando-se, repreendeu o vento e a fúria da água; e cessaram, e fez-se bonança.
25 — E disse-lhes: Onde está a vossa fé? E eles, temendo, maravilharam-se, dizendo uns aos outros: Quem é este, que até aos ventos e à água manda, e lhe obedecem?
35 — E saíram a ver o que tinha acontecido e vieram ter com Jesus. Acharam, então, o homem de quem haviam saído os demônios, vestido e em seu juízo, assentado aos pés de Jesus; e temeram.
36 — E os que tinham visto contaram-lhes também como fora salvo aquele endemoninhado.
37 — E toda a multidão da terra dos gadarenos ao redor lhe rogou que se retirasse deles, porque estavam possuídos de grande temor. E, entrando ele no barco, voltou.
38 — E aquele homem de quem haviam saído os demônios rogou-lhe que o deixasse estar com ele; mas Jesus o despediu, dizendo:
39 — Torna para tua casa e conta quão grandes coisas te fez Deus. E ele foi apregoando por toda a cidade quão grandes coisas Jesus lhe tinha feito.

HINOS SUGERIDOS
 108, 225 e 253 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Jesus, como o Filho de Deus, tem poder sobre a natureza e os seres espirituais.
 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I. Destacar o aspecto sobrenatural da pessoa de Jesus.
II. Apresentar a realidade bíblica da existência dos demônios.
III. Explicar o aspecto limitado dos demônios.
IV. Mostrar que a obra de Jesus é oposta à dos demônios.

terça-feira, 12 de maio de 2015

COMENTÁRIO BIBLICO - EXODO CAPITULO 07, 08, 09

COMENTÁRIO BIBLICO ELABORADO PELO EVANGELISTA: 
NATALINO ALVES DOS ANJOS.
COM PESQUISAS DE COMENTÁRIOS BIBLICOS.

EXODO CAPITULO 7

Êx 7:1 Então disse o SENHOR a Moisés: Eis que te tenho posto por deus sobre Faraó, e Arão, teu irmão, será o teu profeta.
7.1 Disse o Senhor. A Palavra de Deus era o fundamento da comissão de Moisés, a fonte cie onde sua coragem emanou. Como Deus sobre Faraó (7.1). Pela autoridade de sua pessoa e pelo poder de seus atos, Moisés representaria, perante Faraó, a autoridade e o poder do verdadeiro Deus. Teu profeta (1). Conf. 4.16. Essa foi a resposta de Deus à objeção de Moisés, em 6.12.
Êx 7:2 Tu falarás tudo o que eu te mandar; e Arão, teu irmão, falará a Faraó, que deixe ir os filhos de Israel da sua terra.
7.2 Tu falarás tudo que eu te ordenar. Este é o dever de cada servo de Deus. Ninguém deve guardar silêncio na espera de oportunidades maiores (2 Tm 4.2). Temos de declarar todo o conselho de Deus (At 20.27), nada retendo, nem mesmo as coisas que podem ofender, para não sermos profetas de coisas aprazíveis e de ilusões (Is 30.10). Não devemos pregar nossas próprias opiniões e teorias, mas seguir o exemplo do próprio Jesus Cristo que só anunciava a mensagem prescrita por seu Pai (Jo 12.49). Isto quer dizer que nos devemos cingir fielmente da verdade bíblica (Ef 6.14).
Êx 7:3 Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó, e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas.
7.3 Endurecerei. Os corações dos homens estão debaixo da autoridade soberana de Deus (Rm 9.18). A resistência de Faraó era a causa dos sinais e das maravilhas pelas quais Deus se revelou de maneira inesquecível ao seu povo. O endurecimento é um salário do pecado da rebelião contra a mensagem de Deus, lentamente tirando do incrédulo a capacidade de se converter. É por isso que cada pessoa que escuta o convite do evangelho nunca deve protelar a sua aceitação da salvação que Cristo oferece a todo aquele que crer.
Êx 7:4 Faraó, pois, não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei meus exércitos, meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízos.
Êx 7:5 Então os egípcios saberão que eu sou o SENHOR, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles.
7.5 Saberão. A resistência do Faraó era a oportunidade para sua nação inteira perceber que Deus existe em soberania e poder, amor e compaixão para proteger os que apelam para Ele. Israel devia saber (6: 7) pela redenção, o Egito pelo juízo, que Eu sou o Senhor. Deus age em favor de Israel por todo o decurso de sua história com uma finalidade em vista, demonstrar a um mundo que seguiu após outros deuses a natureza de Jeová, o único verdadeiro Deus.
Êx 7:6 Assim fizeram Moisés e Arão; como o SENHOR lhes ordenara, assim fizeram.
Êx 7:7 E Moisés era da idade de oitenta anos, e Arão da idade de oitenta e três anos quando falaram a Faraó.
7.7 Oitenta anos (7). Deus pode prolongar a vida de um homem até qualquer idade, mas é digno de nota que os registros egípcios mostram que a prestação de serviços, depois dos 100 anos de idade, não era incomum.
Êx 7:8 E o SENHOR falou a Moisés e a Arão, dizendo:
Êx 7:9 Quando Faraó vos falar, dizendo: Fazei vós um milagre, dirás a Arão: Toma a tua vara, e lança-a diante de Faraó; e se tornará em serpente.
7.9 Fazei vós algum milagre (9). Provai vossas reivindicações mediante algum ato sobrenatural.
Êx 7:10 Então Moisés e Arão foram a Faraó, e fizeram assim como o SENHOR ordenara; e lançou Arão a sua vara diante de Faraó, e diante dos seus servos, e tornou-se em serpente.
Êx 7:11 E Faraó também chamou os sábios e encantadores; e os magos do Egito fizeram também o mesmo com os seus encantamentos.
7.11. Os sábios e encantadores. Não eram simples mágicos, mas altamente educados líderes sacerdotais do Egito, homens de vasta influência e capacidade. Se eles realizaram sua façanha por meio de algum truque com répteis treinados, ou por meio de "milagres mentirosos" com o poder de Satanás, não pode ser determinado. Em qualquer um dos casos a supremacia de Jeová ficou demonstrada quando suas serpentes foram devoradas.
Êx 7:12 Porque cada um lançou sua vara, e tornaram-se em serpentes; mas a vara de Arão tragou as varas deles.
Êx 7:13 Porém o coração de Faraó se endureceu, e não os ouviu, como o SENHOR tinha falado.
7.13 — Muitas vezes o coração do faraó se endureceu, o que indica que ele permanecia insensível e impassível diante da demonstração do poder de Deus (Êx 7.14,22,23; 8.15,19,32; 9.7,12,34,35; 10.1,20,27; 11.10; 14.4,5,8). E isto se deu como o Senhor tinha dito — da forma que Deus planejara desde o começo (Êx 3.19; 4.21; 7.3,4). O rei do Egito era teimoso (Êx 5.1-9), mas também era prisioneiro do efetivo trabalho do Espírito de Deus (ver Isaías 6.10, em relação ao povo de Judá).
Êx 7:14 Então disse o SENHOR a Moisés: O coração de Faraó está endurecido, recusa deixar ir o povo.
7.14 — Em outros trechos (Êx 4.21; 7.13,22; 8.19), o termo endurecido é traduzido da palavra (hb. hazaq) que significa fortalecer-se, com a ideia de ser obstinado. Aqui, o verbo hebraico kabed passa o conceito de ser pesado, firme, insensível, inflexível.
Êx 7:15 Vai pela manhã a Faraó; eis que ele sairá às águas; põe-te em frente dele na beira do rio, e tomarás em tua mão a vara que se tornou em cobra.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

PODER SOBRE AS DOENÇAS E MORTE - LIÇÃO 07 COM SUBSIDIOS


Resultado de imagem para capa lição cpad 2015

Lições Bíblicas CPAD  -  Adultos
 2º Trimestre de 2015

Título: Jesus, o Homem Perfeito — O Evangelho de Lucas, o médico amado
Comentarista: José Gonçalves

Lição 7: Poder sobre as doenças e morte
Data: 17 de Maio de 2015

TEXTO ÁUREO

E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo” (Lc 7.16).

VERDADE PRÁTICA

Ao curar os enfermos e dar vida aos mortos, Jesus demonstrou o seu poder messiânico e provou também o amor de Deus pela humanidade caída.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Lc 5.24
Jesus e o seu poder para perdoar e curar a todos



Terça — Lc 5.12,13
Jesus e a sua compaixão pelos doentes e necessitados



Quarta — Lc 5.17
Jesus e a autoridade para curar toda enfermidade



Quinta — Lc 10.17-19
Jesus e a delegação de autoridade aos seus discípulos



Sexta — Lc 17.20,21
Jesus e a manifestação do Reino de Deus para todos



Sábado — Lc 21.31
Jesus anunciou eventos que precederiam a vinda literal do Reino


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Lucas 4.38,39; 7.11-17.

Lucas 4
38 — Ora, levantando-se Jesus da sinagoga, entrou em casa de Simão; e a sogra de Simão estava enferma com muita febre; e rogaram-lhe por ela.
39 — E, inclinando-se para ela, repreendeu a febre, e esta a deixou. E ela, levantando-se logo, servia-os.

Lucas 7
11 — E aconteceu, pouco depois, ir ele à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos e uma grande multidão.
12 — E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade.
13 — E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela e disse-lhe: Não chores.
14 — E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam) e disse: Jovem, eu te digo: Levanta-te.
15 — E o defunto assentou-se e começou a falar. E entregou-o à sua mãe.
16 — E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo.
17 — E correu dele esta fama por toda a Judeia e por toda a terra circunvizinha.

HINOS SUGERIDOS

7, 121 e 517 da Harpa Cristã


OBJETIVO GERAL

Explicar o objetivo de Jesus ter mostrado seu poder sobre as doenças e morte.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I. Conscientizar os alunos de que o perdão é terapêutico.
II. Mostrar que uma das razões das curas, no ministério de Jesus, era a compaixão.
III. Analisar a autoridade de Jesus para curar.
IV. Ressaltar a redenção do nosso corpo.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR

A morte, assim como as doenças, físicas, emocionais e espirituais, são resultados da Queda. Porém, Jesus veio ao mundo para nos libertar do poder do pecado. A cura divina faz parte da sua obra expiatória. Deus não se importa somente com a nossa alma e espírito, mas também com nosso corpo. Por isso, em seu ministério terreno, o Mestre curou a todos que iam até Ele. Jesus não mudou; Ele continua curando os enfermos. Então, aproveite o tema da aula e, ao final, não deixe de orar por aqueles que estão doentes. Creia que Jesus tem poder para curar as enfermidades físicas, emocionais e espirituais de seus alunos. Para o Mestre não existe nada impossível.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

As doenças, enfermidades e a morte existem como consequências da entrada do pecado no mundo. Escrevendo aos Romanos, Paulo afirma que “como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram” (Rm 5.12). Jesus, o Messias prometido nas Escrituras, veio para tratar do problema do pecado e das suas consequências (Is 53.4-7; 6.1,2). Com esse fim, Jesus, durante o seu ministério terreno, curou doentes e ressuscitou os mortos (Mt 8.14-17; Lc 7.11-15). Todos os evangelistas, especialmente Lucas, destacam esse fato (Lc 4.16-19).
Nesta lição, vamos estudar alguns dos registros bíblicos sobre a autoridade do Senhor para curar doentes e ressuscitar os mortos.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

COMENTÁRIO BÍBLICO - EXODO CAPITULOS 04,05,06

ELABORADO PELO EVANGELISTA:
NATALINO ALVES DOS ANJOS
MEMBRO DA IGREJA A.D. MISSÃO - DE GUIRATINGA - MATO GROSSO
COM PESQUISAS DE COMENTÁRIOS BÍBLICOS

EXODO CAPITULO 4

Êx 4:1 Então respondeu Moisés, e disse: Mas eis que não me crerão, nem ouvirão a minha voz, porque dirão: O SENHOR não te apareceu.
4.1 Tão arraigada no coração humano é a incredulidade, que até no momento de receber uma visão de Deus, as dúvidas vicejam. O Senhor não te apareceu (4.1). Seria uma objeção natural, considerando que fazia tanto tempo desde a última manifestação especial do Senhor a Israel. Eis que não crerão. A terceira dificuldade de Moisés, como as outras, centralizava-se em si mesmo. Os sinais de Deus não só seriam um testemunho a Israel e ao Egito, da presença de Deus com o seu mensageiro, mas teriam também a finalidade de infundir confiança e fortalecer a fé de Moisés.
Êx 4:2 E o SENHOR disse-lhe: Que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara.
4.2 Um bordão. Deus sempre está pronto a nos encontrar nas coisas simples desta vida e nas fadigas diárias (Jo 4.7); abençoa os objetos comuns que usamos no trabalho (Jo 6.9-13).  Uma vara (2). O cajado de pastor! O primeiro sinal. A vara do pastor, entregue a Deus, tomou-se um sinal de poder e vitória sobre o inimigo.
Êx 4:3 E ele disse: Lança-a na terra. Ele a lançou na terra, e tornou-se em cobra; e Moisés fugia dela.
4.3 Cobra. A vara( bordão), símbolo de autoridade e de apoio, aparece por um momento na forma da serpente, símbolo das obras de Satanás. Semelhantemente, Jesus, o Cetro de Judá a quem os povos terão de obedecer (Gn 49.10), foi assumir a forma da carne pecaminosa, para a nossa justificação. Como Moisés fez o povo olhar para uma serpente de bronze na fé, para que se curasse da mordedura das serpentes do deserto (Nm 21.4-9), assim nós temos de olhar para Cristo, a fim de obtermos a salvação (Jo 3.14-15). O ser humano carnal foge desta doutrina, assim como Moisés fugiu antes de ser realmente obediente, consagrado e ungido.
Êx 4:4 Então disse o SENHOR a Moisés: Estende a tua mão e pega-lhe pela cauda. E estendeu sua mão, e pegou-lhe pela cauda, e tornou-se em vara na sua mão;
4.4 Pela cauda (4). Um ato de fé; normalmente, para evitar a mordida da serpente, pegar-se-ia nela pelo pescoço.
Êx 4:5 Para que creiam que te apareceu o SENHOR Deus de seus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.
4.5 Para que creiam (5). Este versículo prossegue apresentando as palavras do Senhor, acima, enquanto que E estendeu... até... sua mão, formam um parêntesis. O próprio Deus explica aqui o verdadeiro propósito dos milagres. Servem de provas persuasivas ou "sinais" da presença de poder divino e, por conseguinte, não se deve esperar milagres em todos os tempos, mas, conforme fica evidente no registro bíblico, somente quando há alguma necessidade especial de estabelecer a autoridade de Deus em face de dúvida, incerteza ou apostasia.
Êx 4:6 E disse-lhe mais o SENHOR: Põe agora a tua mão no teu seio. E, tirando-a, eis que a sua mão estava leprosa, branca como a neve.
4.6 Leprosa. A lepra é a doença que na Bíblia se usa freqüentemente como símbolo da podridão do pecado; os povos orientais a reconheciam como um castigo provindo de Deus. O segundo sinal. A mão de Moisés manchada pela lepra simbolizava o estado de aflição do próprio Israel, sua necessidade do poder purificador de Deus.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

MULHERES QUE AJUDARAM A JESUS - LIÇÃO 06 COM SUBSIDIOS


Resultado de imagem para capa lição cpad 2015

Lições Bíblicas CPAD  -    Adultos
 2º Trimestre de 2015

Título: Jesus, o Homem Perfeito — O Evangelho de Lucas, o médico amado
Comentarista: José Gonçalves

Lição 6: Mulheres que ajudaram Jesus
Data: 10 de Maio de 2015

TEXTO ÁUREO

E também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades [...] e muitas outras que o serviam com suas fazendas” (Lc 8.2,3).

VERDADE PRÁTICA

A mulher sempre teve um papel importante na expansão do Reino de Deus.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Lc 1.35; Gn 3.15
Jesus é da descendência da mulher e veio para resgatá-las



Terça — Lc 7.44-47
Jesus valorizou as mulheres como ninguém jamais o fez no mundo



Quarta — Lc 8.3
Jesus foi ajudado por mulheres que possuíam bens materiais



Quinta — Lc 7.36-48; 8.2,3
Jesus teve entre seus seguidores muitas mulheres



Sexta — Lc 13.16
Jesus libertou muitas mulheres que foram até Ele



Sábado — Lc 7.50
Jesus salvou as mulheres e dignificou sua condição social

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Lucas 8.1-3.

1 — E aconteceu, depois disso, que andava de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do Reino de Deus; e os doze iam com ele,
2 — e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios;
3 — e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com suas fazendas.

HINOS SUGERIDOS

147, 160, 394 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL

Mostrar a importância das mulheres no ministério do Senhor Jesus Cristo e na expansão do Reino de Deus.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

·   I. Analisar a participação das mulheres no judaísmo e no ministério de Jesus.
·   II. Mostrar a disposição de Isabel e Maria em obedecer a Deus.
·   III. Dissertar acerca da disposição das mulheres em servir a Jesus.
·   IV. Ressaltar a gererosidade das mulheres em ofertar a favor do ministério de Jesus.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

As mulheres tiveram uma participação especial no ministério de Jesus. O Mestre foi para as mulheres judias não somente o Salvador, mas aquEle que resgatou a dignidade da condição social feminina. Nos dias de Jesus, os rabinos se recusavam a ensinar as mulheres. Era atribuída a mulher uma condição social inferior. Jesus não somente as ensinou, mas as teve como amigas (Marta e Maria), as libertou dos poderes de demônios (Maria Madalena), como também as evangelizou (a mulher samaritana). Jesus valorizou as mulheres como ninguém jamais o fez e ainda concedeu a elas o privilégio de poderem contribuir financeiramente para a expansão do Reino.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Ao longo dos séculos, em muitos lugares, as mulheres foram tratadas como objetos e estiveram à margem da sociedade. As mulheres ainda são, em algumas culturas, consideradas seres inferiores e por isso são discriminadas. Na cultura oriental, a qual pertenceu Jesus de Nazaré, era assim também que se enxergava as mulheres.
Um dos fatos que fica logo patente no Evangelho de Lucas é o tratamento que Jesus dispensou às mulheres. Essas mulheres esquecidas, discriminadas e maltratadas encontraram no Mestre a manifestação do amor de Deus. A forma que elas encontraram para retribuir foi segui-lo e servi-lo com seus bens. Um exemplo a todos aqueles que querem também agradar a Deus.


PONTO CENTRAL

As mulheres desempenharam um papel relevante no ministério terreno de Jesus.


I. JESUS, O JUDAÍSMO E AS MULHERES

1. A presença feminina no ministério de Jesus. O Novo Testamento dá amplo destaque à presença feminina no ministério de Jesus. O terceiro Evangelho põe essa realidade em relevo. A lista é extensa: Maria, mãe de Jesus; Isabel, mãe de João, o Batista; Ana, a profetisa; a viúva de Naim; a pecadora na casa de Simão; Marta e Maria de Betânia; Maria Madalena; a sogra de Pedro; a mulher do fluxo de sangue; a mulher encurvada; Joana, a mulher de Cuza, e Suzana. Algumas dessas mulheres foram curadas, outras libertas de demônios e ainda outras tornaram-se seguidoras de Jesus juntamente com os Doze.
2. Jesus valorizou as mulheres. Causa admiração quando fazemos um contraste entre o tratamento dado às mulheres no Novo Testamento e aquele que era praticado no judaísmo do tempo de Jesus. No judaísmo do primeiro século, a mulher não participava da vida pública. Nem mesmo lhe era permitido aparecer em público descoberta, sendo dessa forma impossível ver a sua fisionomia. Não tinha voz nem rosto. A mulher era, portanto, tida como objeto, uma coisa que poderia ser usada e descartada. Ao contrário de tudo isso, Jesus não tratou as mulheres como coisa ou objeto. Ele as tratou como gente! Jesus mostrou que a mulher era um ser especial para Deus e fez com que elas se sentissem assim. Não são poucas as passagens do Novo Testamento que dão destaque às mulheres, e o Evangelho de Lucas não foge a essa regra (Lc 1.13,42; 7.48; 8.2,43; 13.12; 16.18; 23.27).